MAMÃE EU SOU GAMER!

Se você ouviu isso de seus filhos, provavelmente você se assustou. Mas não se desespere, não tem motivo nenhum pra isso.

Quando grávidas nos questionamos e fazemos milhares de planos para o futuro do bebê. Que ele será médico, advogado, cientista, jogador de futebol… Os anos passam e numa bela manhã de verão seu filho declara: “Mamãe quero ser gamer” ou diz que vai viver fazendo vídeos no Youtube. Nada de faculdade, nada de futebol o que ele quer mesmo é ficar no vídeo game. Aí você se desespera, a panela cai, a pressão então dispara que nem o preço do dólar. Mas antes de quase morrer tem algumas coisas que você precisa saber:

1 – Sim é uma profissão! – Assim como todas as outras ser um jogador profissional é uma profissão complexa, exigente e remunerada.

2 – Ele(a) terá um chefe! – Como no futebol, no vôlei, na natação, o gamer profissional tem que lidar com treinadores, equipe, dono(a) do time e patrocinadores, sendo assim como em qualquer profissão ele deverá respeitar hierarquias.

3 – Não tem progressão e carreira! – Claro que tem. Ele pode ser membro de um grupo, posteriormente o líder, coach, dono de time, de liga… Tem muito o que crescer.

4 – Ele(a) não terá amigos – Vamos, lá. Seu filho ou filha terá acesso aos outros jogadores, além disso participando de campeonatos fará parte de times, conhecerá pessoas de outros times e não só do mesmo bairro, nem da mesma cidade, muitas vezes nem do próprio país. Hoje conectados pela internet temos um milhão de possibilidades e um mundo todo a nossa espera. Eles terão muitos amigos 😉

5 – Eu não entendo o que ele(a) faz! – Bom mas com certeza você também não sabe o que faz o médico, o químico, um físico… Além disso se não sabe informe-se!

6 – Mas não tem carteira assinada! – Como toda profissão já passou por regulamentação, as profissões que estão surgindo atualmente também serão regulamentadas. Agora, vamos e convenhamos, carteira assinada nunca foi sinônimo de felicidade nem de estabilidade. O mundo está mudando mamãe, devemos acompanhar o progresso!

7 – Ele(a) é muito jovem para saber o que quer! – Ué e forçar a criança de 16 anos escolher uma faculdade e o que ela quer fazer pro resto da vida é muito sabido né??

8 – Ele(a) não terá segurança nenhuma – Vamos do começo. Um time profissional é uma empresa, tem administradores, financeiro, psicólogos, marketing, todo que existe em uma empresa convencional. O gamer não estará sozinho, muitas pessoas estarão ao lado dele(a) pensando em seu bem estar. Seja quando ele está em casa, seja em uma gaming house ou viajando para um campeonato. A segurança dos profissionais são prioridade em tudo que é feito para eles e sempre baseados em na legislação. O que também é muito trabalhoso afinal trabalha-se com profissionais de diversos países com legislações diferentes, a coisa é bem mais complexa do que parece.

9 – Não dá dinheiro! – Ahhhhh dá sim. Dá uma olhadinha nessa reportagem que você vai pensar muito antes de falar isso de novo!

Enfim, temos que aceitar as alterações que o progresso nos trás e encarar de frente as novas possibilidades. O incentivo por parte da família é de extrema importância no sucesso profissional e afetivo de qualquer indivíduo e isso inclui respeitar suas escolhas. Muitas vezes nos espelhamos naqueles que amamos mas devemos lembrar que cada indivíduo tem um sonho, uma necessidade e que na maioria das vezes não são as mesmas que as suas. Então tome cuidado para não frustrar a pessoa que você ama com coisas que são suas e não delas. Então, deixa o jogo acontecer e seja feliz com eles. Quem sabe você também não entra na brincadeira 🙂