Essa semana o presidente da ANATEL Sr. João Rezende deu uma declaração à respeito da possível redução do limite de utilização de banda larga com o pretexto de que: “Tem gente que adora, fica jogando o tempo inteiro e isso gasta um volume de banda muito grande”.  Segundo ele isso é maléfico às pessoas que utilizam pouca banda pois, a distribuição fica desequilibrada.

Primeiramente, como profissional da saúde, gostaria de ressaltar que a utilização de jogos estimula diversos processos cognitivos e auxilia no desenvolvimento humano, sendo assim, essa afirmação seria alterada para: “Não quero que os indivíduos do meu país tenham acesso à esse tipo de estímulo” ou melhor, não quero que indivíduos possam se desenvolver. Independente da ferramenta utilizada o direito de desenvolvimento não pode ser negado. Além disso dados do IBGE mostram que a utilização de internet é maior entre jovens de 15 a 30 anos (período acadêmico) e por consequência de seu desenvolvimento social, científico, etc.

Posteriormente, a mesma pesquisa do IBGE mostra que 71% dos usuários de internet a utilizam para fins educativos/educacionais e apenas 55% para lazer. Então convenhamos Sr. João, basta uma leve pesquisada no Google para podermos acessar milhares de informações em pesquisas e seu discurso cai por terra.

As pessoas que não utilizam a internet não o fazem por falta de dispositivos para o acesso. Não é fácil morar no Brasil e com um salário mínimo conseguir manter energia elétrica, internet banda larga caríssima e de péssima qualidade, e ainda comprar um dispositivo compatível. Isso é regresso!É dizer ao povo que não se deve investir em seu crescimento, atravancando o progresso das forma mais cruel possível. É querer isolar a população negando-lhes conhecimento.

O investimento em novas tecnologias e democratização delas é de extrema urgência para um país em desenvolvimento. Além disso, pessoas e empresas tiram seu sustento utilizando (e pagando bem caro!) serviços de internet. Bem vindos ao século XXI! Ainda estamos atrasados, mas a caravana deve seguir viagem. É um tapa na cara de todo cidadão brasileiro dizer uma barbárie dessas, Sr. João. É chamar o povo de burro e abusar de sua inocência.

Somos muitos e precisamos de mais,

Estamos de olho!

Fonte: IBGE